Categories: Espiritualidade, Vivência na fé Tags: Deixar um comentário

A força que vem do alto

Autora: Carolina Curvello – PasCom

“Recebereis uma força do alto e sereis minhas testemunhas” (At 1, 8). Essas foram as últimas palavras de Jesus Cristo anunciadas aos apóstolos, pouco antes d’Ele ser arrebatado aos céus. Ao dizer essas palavras, Cristo quis encorajar os seus discípulos a permanecerem firmes na missão de evangelizar e anunciar o amor de Deus até “os confins da terra” (At 1, 8).

Porém, de onde vem essa força? A força do alto anunciada por Jesus refere-se ao Espírito Santo que desceu sobre os apóstolos na grande solenidade de Pentecostes, celebrada cinquenta dias após a Páscoa do Senhor.

“Eis que veio do céu um ruído como um vendaval impetuoso, que encheu toda casa onde se encontravam. Apareceram-lhes, então, línguas de fogo, que se repartiram e pousaram sobre cada um deles” (At 2, 2-3). O sopro da esperança e o início da ação evangelizadora de Cristo surgiu por meio da efusão do Espírito Santo.

Segundo o vigário da nossa Paróquia, padre Vinícius Podda, a vinda do Espírito Santo revela o princípio de unidade da igreja e a presença atuante de Deus no meio do povo. “Cristo, na última Ceia, disse que não há tempo de explicar todas as coisas, mas o Espírito Santo revelará a verdade total. O espírito faz com que os apóstolos tenham a compreensão total do mistério que anunciam e dá força para eles irem anunciar o Evangelho”, disse.

O padre ainda explica que, ao recebermos o Espírito Santo, somos capazes de testemunhar a filiação divina, porque Cristo já havia anunciado: “Eu não vos deixarei órfãos. Voltarei a vós” (Jo 14, 18).

Com a vinda do Paráclito, os apóstolos foram convertidos em pessoas cheias de dons sobrenaturais. Ao todo, são sete dons descritos pelo profeta Isaías no Antigo Testamento: sabedoria, inteligência, conselho, fortaleza, ciência, piedade e temor de Deus.

Padre Vinícius destaca a fortaleza como um dos grandes dons espirituais que ajuda os cristãos a não desanimarem diante das provações. Segundo ele, a cor litúrgica vermelha usada na festa de Pentecostes nos remete a fortaleza dos mártires, que tudo enfrentaram por Jesus Cristo, e está ligada à capacidade de entrar na cruz até o dom de sangue. “A fortaleza nos ajuda a testemunhar Cristo mesmo diante do sofrimento”, disse.

Na homilia de Pentecostes do ano passado, o Papa Francisco ressaltou que o Espírito liberta pessoas paralisadas pelo medo e motiva uma verdadeira mudança de coração. “Muitos prometem estações de mudança, novos começos, renovações portentosas, mas a experiência ensina que nenhuma tentativa terrena de mudar as coisas satisfaz plenamente o coração do homem. A mudança do Espírito é diferente: não revoluciona a vida ao nosso redor, mas muda o nosso coração”, comentou o Papa.

Na solenidade de Pentecostes, que será celebrada, neste ano, no dia 9 de junho, cada cristão é convidado a levar uma vida segundo o Espírito de Deus. Amparados nos dons espirituais e invocando sempre o espírito Paráclito e consolador que vem do Alto, nenhum cristão se sentirá sozinho ou desmotivado.

Você sabia?

A solenidade de Pentecostes é cristã, mas teve sua origem no judaísmo, como a festa da colheita. A Páscoa era uma ação de graças a Deus de quando os primeiros frutos saíam, e, cinquenta dias depois, os frutos passavam pela maturação, e assim os judeus gozavam de tudo que Deus lhes tinha dado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *